terça-feira, 4 de novembro de 2014

o olho pela janela

palavra nenhuma atravessa a janela
o dito sai pelos olhos
o escrito se esvai

papéis e livros se avizinham em outra hora
o olho ignora o azedume
desconhece o amargo

e vai

Nenhum comentário:

Postar um comentário